Irã condenou 25 cristãos à prisão por causa de sua fé, no primeiro semestre de 2022

  • 15/09/2022
Irã condenou 25 cristãos à prisão por causa de sua fé, no primeiro semestre de 2022

Seis cristãos foram condenados a cumprir sentenças variáveis por seu envolvimento em igrejas domésticas. Alguns deles se reportaram à prisão de Evin, em Teerã, outros estão aguardando intimação.

Pelo “crime”, eles devem viver 42 anos longe de sua família, enquanto cumprem a pena em prisão fechada.

O grupo estava entre, pelo menos, 35 crentes presos ou interrogados por agentes de inteligência pertencentes ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC), em uma operação coordenada ao longo de dois dias e em três cidades no verão de 2020.

Segundo informações, um espião se passando por cristão se infiltrou em uma das igrejas e cooperou com as autoridades para entregá-los e apresentar nomes. Os tribunais iranianos sentenciaram os cristãos em junho deste ano, e seus recursos foram recentemente rejeitados.

As alegações oficiais revelam uma certa paranoia entre as autoridades iranianas, diz o Artigo 18, instituição que defende os cristãos no país. Cada deles enfrentou acusações e condenações por, nas palavras do tribunal, “agredir contra a segurança por meio de associação e administração e formação de uma igreja evangélica doméstica e gerenciar um grupo/congregação com o objetivo de perturbar a segurança do país”.

Conheça os condenados

Joseph Shahbazian é um pastor iraniano-armênio de 58 anos. Ele recebeu 24 horas para se apresentar na prisão de Evin na semana passada. Atualmente está cumprindo uma sentença de 10 anos por realizar cultos na igreja que funciona em sua casa.

Mesmo os iranianos de ascendência armênia (e assíria) tendo um grau de liberdade de culto maior, eles não têm permissão para ensinar na língua nacional do persa ou receber iranianos “nascidos muçulmanos” na igreja. Para Joseph, não compartilhar Jesus com os muçulmanos não era uma opção.

Mina Khajavi, 59 anos, foi para a prisão de Evin ao lado de Joseph em 30 de agosto para iniciar sua sentença de seis anos por fazer parte de sua igreja doméstica. Ela chegou com a ajuda de um andador, depois de quebrar a perna em três lugares em um acidente de carro.

As autoridades prisionais disseram que ela poderia voltar para casa por causa de sua condição física. O benefício para ficar em casa só foi liberado após mais seis semanas antes de se apresentar na prisão – e deveria ser feito por um médico aprovado pelo governo.

Malihe Nazari, 48 anos, também foi condenada a seis anos e agora está na prisão de Evin. Ela também fazia parte de uma igreja doméstica chamada Yek Delan, uma igreja especial para mulheres cristãs em Teerã.

Homayoun Zhaveh, 68 anos, e sua esposa Sara Ahmadi, 44 anos, foram intimados a cumprir suas sentenças há mais de um ano. O casal se apresentou na prisão de Evin, mas talvez em reconhecimento à condição de Homayoun, eles foram inicialmente instruídos pelas autoridades prisionais a voltar para casa. Homayoun tem doença de Parkinson avançada.

Quatorze meses depois, quando o casal recebeu outra intimação, presumiram que estavam sendo chamados de volta para obter itens pessoais confiscados por agentes de inteligência em sua casa. Em vez disso, as autoridades os prenderam no local; eles agora estão cumprindo suas sentenças. Homayoun foi condenado a dois anos, enquanto sua esposa deve cumprir oito.

Anooshavan Avedian, de 60 anos, outro pastor iraniano-armênio, também aguarda uma intimação para cumprir uma sentença de 10 anos de prisão. Ele foi condenado por tribunais sob o artigo 500 alterado do Código Penal Islâmico do Irã pelo que um juiz chamou de “propaganda contrária e perturbadora à sagrada religião do Islã”.

O pastor foi preso pela primeira vez em 21 de agosto de 2020, quando aproximadamente 30 agentes do Ministério do Serviço de Inteligência (MOIS) invadiram uma reunião privada em sua casa em Narmak, no nordeste de Teerã, onde cerca de 18 cristãos, incluindo membros da família de Anooshavan, se reuniram para orar e adorar.

Bíblias confiscadas

De acordo com o Artigo 18, os agentes confiscaram Bíblias e dispositivos de comunicação, exigindo que todos preencham formulários com suas informações pessoais, incluindo senhas de telefone e contas de mídia social.

Joseph, Mina, Malihe, Homayoun, Sara, Anooshavan e outros como eles não fizeram nada além de se reunir como cristãos fazem ao redor do mundo, em seus “grupos domésticos”.

Campanha pelo fim das prisões

A Portas Abertas pede pelo fim imediato de campanhas contra cristãos iranianos.

Nos últimos meses, a pressão sobre os cristãos convertidos no Irã tem aumentado com mais prisões e processos judiciais, fazendo com que a organização exija uma parada imediata de “campanhas sistemáticas … contra cristãos e outras minorias religiosas”.

A Portas Abertas está “chocada com os testemunhos de violações do devido processo legal que ocorreram nas salas do tribunal, incluindo comentários humilhantes do juiz, o favor indisfarçável do tribunal para o lado do promotor sobre os réus, a falta ocasional de acesso a um advogado e veredictos emitidos em menos de 10 dias – claramente – sem consideração suficiente de provas.”

“Pedimos às autoridades iranianas que parem imediatamente com as campanhas sistemáticas de prisões, detenções arbitrárias, apreensão de propriedades e julgamentos injustos contra cristãos e outras minorias religiosas”, apelou a Portas Abertas, segundo um de seus representantes.

“Embora todos esses incidentes tenham sido relatados publicamente, houve mais e é seguro dizer que houve um aumento na prisão e detenção de cristãos no Irã no primeiro semestre deste ano”.

O Irã é signatário do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, que protege a liberdade de religião, incluindo a liberdade de mudar de religião e compartilhá-la com outros.

Mas, como esses casos e muitos outros nos mostram, essa liberdade está apenas no papel. Para os cristãos e outras minorias religiosas, ela não existe. O governo iraniano deve usar outras maneiras de impedir o crescimento de qualquer outra religião que não o islamismo, prendendo e acusando falsamente os cristãos de violações de “segurança nacional”.

“Enquanto estava na prisão, pensei comigo mesma, há pessoas que me amam e choram por minha dor e sofrimento – e, mais importante, oram por mim. Porque sem o poder de Deus, você não pode tolerar [a prisão] e seguir em frente”, disse a cristã iraniana Zahra sobre sua prisão.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/missoes-acao-social/ira-condenou-25-cristaos-prisao-por-causa-de-sua-fe-no-primeiro-semestre-de-2022.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

No momento todos os nossos apresentadores estão offline, tente novamente mais tarde, obrigado!

Top 5

top1
1. Anderson Freire

Raridade

top2
2. Bruna Karla

Advogado Fiel

top3
3. Aline Barros

Casa do pai

top4
4. Anderson Freire

Acalma o meu coração

top5
5. Aline Barros

Ressuscita-me

Anunciantes